Atendimento

0

Fabricação própria

de equipamentos

Envios

para todo o Brasil

Fidelidade

compre e ganhe bônus

Pague com cartão

em até 12x sem juros

Pague com PIX

e ganhe 5% de desconto

12/01/2024

Quimica da Agua I: Fator Geográfico

Na aurora da cervejaria, um elemento fundamental forjava secretamente o destino e o sabor de cada cerveja: a água local. As cervejarias históricas eram reféns das características naturais da água que fluía em suas regiões, o que inevitavelmente moldava o perfil de suas cervejas. No entanto, a modernidade trouxe consigo uma revolução silenciosa - a capacidade de transformar a água de qualquer lugar na água perfeita para qualquer estilo de cerveja. 

O Legado da Água Cervejeira:
Pilsen, Burton-upon-Trent, Munique... esses nomes evocam não apenas lugares, mas também estilos distintos de cerveja, cada um com características que devem muito às qualidades da água daqueles locais. A água dura de Burton, rica em sulfatos, realçava o amargor dos lúpulos, criando as famosas Pale Ales inglesas. Por outro lado, a suavidade da água de Pilsen na República Tcheca era ideal para produzir as límpidas e douradas lagers que agora dominam o mundo.

A Transformação Química:
Hoje, cervejeiros não estão mais limitados pelas correntes geográficas. Através da análise e ajuste da química da água, é possível replicar as condições hídricas de qualquer canto cervejeiro do globo. A adição de sais como cloreto de cálcio ou sulfato de magnésio permite ajustar a dureza e alcalinidade da água, personalizando-a para realçar certos sabores e aromas, equilibrar o amargor ou melhorar a eficiência da fermentação.

A Ciência ao Serviço da Arte:
Essa capacidade de adaptação transformou a cervejaria caseira e profissional. Agora, cervejeiros podem criar uma Pilsner tão autêntica quanto as de Pilsen ou uma Stout tão rica quanto as de Dublin, sem sair de seus locais de origem. A água, outrora um limitante, tornou-se uma tela branca, pronta para ser moldada conforme a visão do mestre cervejeiro.

O Impacto Ambiental e Econômico:
Além das possibilidades criativas, a manipulação da água também apresenta benefícios sustentáveis. Cervejeiros podem utilizar águas menos ideais e transformá-las, evitando o custo e o impacto ambiental do transporte de água ou da cerveja em si. Isso significa que cervejarias podem ser mais locais e ecológicas, sem comprometer a qualidade.

Conclusão:
A água sempre foi e sempre será um dos componentes essenciais da cerveja. No entanto, já não estamos presos às fontes históricas para definir o caráter de nossas cervejas. A ciência nos proporcionou o poder de desbloquear infinitas possibilidades, permitindo que a criatividade flua tão livremente quanto as águas que moldaram a história da cerveja. As cervejarias de hoje, armadas com conhecimento e tecnologia, podem criar não apenas réplicas, mas também inovações, expandindo o legado da cerveja artesanal para novos e emocionantes horizontes. Brindemos, então, à ciência cervejeira e ao elemento que une todas as cervejas: a água transformada, a essência líquida da inovação.